Páginas

terça-feira, 13 de outubro de 2015

PERMUTARAM AS PESSOAS REAIS



Teria dito tudo que você quisesse ouvir
Acertado cada palavra e um sorriso sincero
Minha sinceridade desmedida
Minha paixão destemida, confusa e desequilibrada.

Você nem me viu, estava abraçada com sua estátua de mármore
Bem polida, reluzente refletia todos os seus anseios sociais,
Seus desejos supérfluos e a segurança que uma pedra traz.

Vivemos em um mundo de pessoas cenográficas
Onde só o que há é sua fachada
Escorada em linhas bem finas de nada.

Comecei a ficar de lado nessa terra de mentiras,
De aparências supervalorizadas
E sentimentos desvalorizados.

Agora qual é o lugar das pessoas de verdade?

J. Mário Cavalcante

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Dúvidas



O que é ser feliz?
Complexo, inexato, dúbio.
Sentimento desconhecido até o instante
Que somos arrebatado pela tristeza do não ter.

Será que a felicidade é a ausência da tristeza quando temos?

E o questionamento torna-se relevante
Quando atribuo o fato de estar feliz,
Um estado completamente diferente do amor.

E a diferença encontra-se quando conseguimos
Ser felizes sozinhos unilateralmente.
E amar encontra-se quando conseguimos
Ser felizes acompanhados bilateralmente.

Agarrados na reciproca
Do sentimento compartilhado
E da desorientação que o sentimento proporciona.

J. Mário Cavalcante

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Mesmo que ela não saiba



Ouse, acredite, apaixone – se mesmo que ela não saiba.
Chore, sofra, arrependa – se mesmo que ninguém saiba.

Dê de graça seu melhor sorriso
Acompanhado de um beijo devotado
Mesmo que ela não saiba.

Rogue por manifestações do acaso
Que não é todo dia que acordamos
Com nosso melhor roteiro original.

Você acredita que podemos exalar paixão?
Você sentiu?
Talvez isso tudo não faça o menor sentido
E quem se importa?

Mas e se tudo isso fizer sentido?
Percebe?
Que talvez por algum acaso
Você consiga ler tudo isso que escrevi
E perceba que foi para você.

J. Mário Cavalcante